“Toma um chazinho de erva-cidreira que resolve!”.

É comum ouvir isso quando os problemas são relacionados ao nervosismo, má digestão, gripe, dor de cabeça... Enfim, para muitas coisas, a erva-cidreira pode ser eficaz, assim como tantas outras ervas medicinas.

Também chamada de Melissa, a erva-cidreira é uma das mais conhecidas, pois possui um aroma cítrico muito parecido com o de limão e é muito utilizada não só na fitoterapia e na aromaterapia, como também na produção de cosméticos e na culinária.

Desde o século X, a erva-cidreira faz sucesso pelo mundo inteiro, pois já era utilizada como calmante pelos árabes, para aliviar a depressão e reduzir a ansiedade. Portanto, para descobrir quais são todas as suas propriedades, como pode ser usada, qual sua origem, características, formas de plantio e colheita, receitas, dicas e muito mais, entre em nosso site e confira!

Erva-Cidreira na História

A história mostra que a erva-cidreira já é usada há mais de dois mil anos e que seu chá é um dos mais apreciados no mundo inteiro. Os gregos a denominaram como “erva do mel de abelha”, pois segundo a lenda, o nome “Melissa” é em homenagem à Melona, a ninfa grega protetora das abelhas.

Outras lendas atribuem à erva-cidreira a atração e/ou fortalecimento do amor, quando seus ramos são colocados no vinho e servido à pessoa amada. Além disso, também a atribuem à atuação positiva sobre a longevidade e dizem que seu incenso traz felicidade e sucesso, ajuda a encontrar o amor verdadeiro e auxilia no combate à timidez e a falta de autoconfiança.

Nomes Populares da Erva-Cidreira

Além de seu nome original, a erva-cidreira possui outros nomes populares: chá de tabuleiro, falsa melissa, erva-cidreira brava, erva-cidreira do campo, salva do Brasil, salva limão, alecrim do campo, salva brava, cidrila, orégano e salvia (em países Latino-Americanos).

A erva-cidreira, cujo nome científico é Melissa officinalis, é nativa da Europa Meridional, Ásia e norte da África, mas é de fácil plantio em diversos lugares do mundo. Sua principal característica é o sabor e o aroma cítrico derivado do seu óleo essencial, que pertence ao grupo dos terpenos, semelhante ao de limão. 

É uma planta perene herbácea, ou seja, possui um ciclo de vida longo, podendo viver mais de dois anos e em nenhum momento suas folhas caem. Ela pertence à mesma família da menta, da hortelã e do boldo.

Suas folhas são grandes, com um verde intenso na parte superior e verde-claro na inferior e as suas flores, que desabrocham no verão e atraem as abelhas, são pequenas, brancas ou rosadas. Essa planta mede, em média, de 30 a 60 cm de altura. Durante o inverno, nas regiões temperadas, os caules secam e voltam a reverdecer na primavera.

Geralmente, ela é confundida com a erva-cidreira de folha (Lippia alba), que possui algumas características parecidas, mas não tem as mesmas propriedades medicinais.

Plantio e Colheita da Erva-Cidreira

A erva-cidreira necessita de luz plena ou sombreamento parcial para seu bom desenvolvimento e prefere climas temperados tendendo para quentes. Seu plantio deve ser renovado a cada quatro anos em climas com temperaturas médias de 20ºC. Os solos ricos em matéria orgânica, com umidade, drenados e sem encharcamento, são os ideais para plantar a erva e sua preparação consiste apenas em aração* e gradagem*.

Para manter o plantio em boas condições, indica-se a irrigação* e drenagem* do solo sempre que necessário e a adubação com esterco curtido, ou composto orgânico, uma vez por ano na proporção de 20 a 30 toneladas por hectare.

O plantio é feito por sementes, divisão de touceiras* e por estaquia*. Suas sementes devem ser plantadas bem próximas à superfície do solo e as mudas precisam ser transplantadas quando atingem uma altura média de 10 cm.

A propagação por sementes pode ser realizada no local definitivo da cultura ou em sementeiras para obtenção de mudas. No plantio, as plantas da mesma fileira devem ter uma distância mínima de 40 cm e cada fileira um espaço mínimo de 50 a 60 cm para a outra.

Colheita

A colheita depende dos objetivos do plantio, se o objetivo for as folhas, as ervas devem ser colhidas antes que os órgãos florais se desenvolvam. A partir daí, cortam-se os ramos, ou então todo o caule (entre 8 e 10 cm acima da superfície do solo) e tudo o que for recolhido é colocado em cestos e/ou caixas, mas com muito cuidado para não amassar as folhas, para que elas não percam a qualidade, nem degradem mais rápido.

Obs: A colheita deve ser feita com tempo seco e, de preferência, sem água sobre as plantas. Portanto, a melhor hora de colher é pela manhã, depois que o orvalho das plantas já estiver seco.

Depois de colher, é necessário que as folhas passem pelo processo de secagem caso sejam destinadas à comercialização, pois quando secas, elas conservam as propriedades e seus efeitos duram por mais tempo. Caso contrário, podem ser usadas “frescas”, sem secagem.

A secagem é feita para diminuir o teor de água, o que impede a ação enzimática e a deterioração. Ela pode ser feita naturalmente; porém, é um processo mais lento. As folhas devem ser conduzidas à sombra, em local ventilado e que seja protegido da poeira, inseto ou qualquer coisa que possa interferir o processo. Além disso, também pode ser feita artificialmente com o uso de estufas e secadoras.

  • Touceira: é um arranjo de grupos vegetais com vários troncos partilhando o mesmo sistema radicular.
  • Estaquia: é um meio de reprodução assexuada, que consiste no plantio de um ramo ou folha da planta, desenvolvendo uma nova planta a partir do enraizamento das mesmas.
  • Aração: processo de revolver o terreno agrícola com um arado, equipamento mecânico tracionado, para descompactar a terra, viabilizando o melhor desenvolvimento das raízes, e permitindo também mais arejamento do solo.
  • Gradagem: é o processo que vem após a aração, com o objetivo de desfazer os torrões que podem ter restado no solo, deixando sua superfície uniforme e nivelada.
  • Irrigação: é o fornecimento de água para as plantas de forma controlada, em quantidade suficiente e no momento certo. Também pode ser utilizada para enriquecer o solo com o fornecimento de elementos fertilizantes.
  • Drenagem: processo de escoar a água dos terrenos que ficam encharcados.

Propriedades da Erva-Cidreira

A palavra fitoterapia vem do grego "phyton therapeia", e significa “tratamento vegetal”, ou seja, é uma forma de estudar as plantas medicinais e de como elas podem ser aplicadas para a cura de doenças. Já a aromaterapia é a forma com que o aroma das plantas exerce determinados efeitos sobre o corpo humano.

Entre essas duas áreas, a erva-cidreira faz sucesso, pois possui importantes propriedades que combatem e ajudam no tratamento de diversos problemas de saúde.

Veja suas principais propriedades:

  • Adstringente: útil para diminuir a secreção de mucosas, recobrir tecidos orgânicos, contrair os tecidos e vasos, combater diversos tipos de problemas inflamatórios da boca, órgãos genitais etc.
  • Analgésica: usada para aliviar a dor sem eliminar outras propriedades sensitivas.
  • Antialérgica: usada para combater diversos tipos de alergia.
  • Antiespasmódica: impede a contração do tecido muscular liso, prevenindo o surgimento de espasmos no estômago, intestino e/ou bexiga.
  • Anti-inflamatória: possui o papel de inibir a ação dos glóbulos brancos, que são os responsáveis pela resposta inflamatória, diminuindo as dores, inchaços e vermelhidões no local machucado.
  • Antimicrobiana: ajuda a inibir o crescimento de microrganismos dentro do corpo (vírus, bactérias, fungos, parasitas), evitando maiores problemas.
  • Antisséptica: possui ação parecida com a antimicrobiana, porém inibe a proliferação de microrganismos que estão presentes somente na superfície da pele e mucosas.
  • Cicatrizante: faz com que determinados cortes ou machucados cicatrizem mais rápido, acelerando o aumento das multiplicações celulares, que possibilitam o preenchimento da zona afetada com as células epiteliais.

Age contra...

Diante de todas essas propriedades, a erva-cidreira age, principalmente, contra:

  • Dor de Cabeça
  • Enxaqueca
  • Gases
  • Constipações
  • Tosse
  • Enjoo
  • Fadiga
  • Feridas
  • Fígado
  • Problemas Digestivos
  • Arroto
  • Alergias
  • Gripe                        
  • Palpitações Cardíacas.

A erva-cidreira também é um grande auxílio ao organismo feminino, pois além de regular as menstruações, alivia as cólicas e tem um efeito tônico no útero. Além disso, é uma planta que possui propriedades calmantes e sedativas, portanto é muito indicada como calmante, para combater ao nervosismo, estresse e também para a insônia.

Contra indicação: Não deve ser usada por pessoas que tomam medicamentos para a tireoide, pois correm o risco de inibir a absorção do remédio e deve ser usada com cautela por quem tem alergia (faça um teste antes).

Constituintes Químicos da Erva-Cidreira: Acido cafeico, ácido rosmarínico, ácido clorogênico, ácidos triterpênicos: ursólico e oleânico; óleo essencial (citral, citronelal, citronelol, pineno, limoneno, linalol e geraniol), glicosídeos flavônicos, resinas, sesquiterpenos (cariofileno e outros), succínico, tanino.

Uso da Erva-Cidreira

A folha “fresca”, colhida e usada na hora é a melhor forma de utilizar a erva-cidreira, mas como isso não é possível a todos, também pode ser a erva-cidreira seca, encontrada em feiras e supermercados.

O famoso chá e a aplicação da própria folha são as principais formas de uso para obter os benefícios da planta. 

Como fazer o chá?

Coloque doze folhas picadas de erva-cidreira dentro de uma xícara de chá e adicione água fervente. Cubra e deixe a temperatura abaixar um pouco. Quando estiver morno, coe e beba de três a quatro xícaras por dia (dê um intervalo entre elas).

Em quais casos a erva cidreira pode ser aplicada?

A aplicação das folhas pode aliviar dores na barriga, nos olhos e em machucados. Como repelente, a erva-cidreira também pode fazer efeito, basta amassar as folhas da erva e esfregar na pele.

Dica: Para aliviar a dor de dente, coloque algumas folhas de erva-cidreira em um copo com água, deixe descansar por um tempo, retire as folhas e faça um bochecho esse chá.  

O uso medicinal é a forma em que a erva-cidreira é mais utilizada; porém, também serve como aromatizante e óleo essencial na produção de cosméticos, como sabonetes artesanais, óleos, perfumes, xampus, condicionadores, cremes, etc. Além disso, existem muitas receitas de esfoliantes caseiros que levam erva-cidreira, pois ela também ajuda na limpeza de pele.

Na culinária, a erva-cidreira é usada para dar um sabor cítrico aos pratos e bebidas, tanto utilizando a própria folha, como também pela produção de temperos através delas. É mais comum no preparo de peixes, aves e saladas.

Outras Ervas Medicinais

Além da erva-cidreira existem outras plantas que possuem efeitos medicinais e que são muito utilizadas atualmente. Veja as principais e suas propriedades:

Boldo

O boldo possui diversas espécimes e muitos acham que aquele que tem no quintal é o boldo-do-chile, o mais cotado entre eles. Porém, no Brasil, os mais comuns são o boldo-da-terra e o boldo-bahiano. Conheça um pouco mais:

Boldo-do-chile

O boldo-do-chile, cujo nome científico é Peumus boldus, pertence à família das Monimiaceae e é uma árvore que pode atingir de 12 a 15 metros de altura. No uso medicinal o boldo-do-chile pode ser uma boa solução para desconfortos digestivos, para o fígado e os problemas relacionados a ele, como dores de cabeça e mal estar. Tomado antes das refeições, também pode ajudar na digestão.

Boldo-da-terra

O boldo-da-terra, Plectranthus barbatus, é um arbusto que pode chegar até 2 metros de altura. Seu óleo essencial possui guaieno, fenchona, barbatol, barbatesina, cariocal e barbatusol. Pode ser eficaz no combate às azias, problemas no fígado, além de ser um estimulante às funções digestivas, aumentando a secreção biliar. É, ainda, diurético e atua sobre o sistema nervoso como calmante e “sonífero”.

Boldo-bahiano

O boldo-bahiano, também conhecido como Alumã (Vernonia condensata), pertence à família das Asteraceae e é uma das plantas mais cultivadas em jardins e hortas. Suas propriedades podem ser úteis para o tratamento de indisposição gástrica, azia, controle da gastrite, estimulante da digestão e do apetite, além da fama de ser um bom método contra a ressaca.

Camomila

A camomila é uma planta herbácea, que atinge de 30 a 50 cm e altura, faz parte da família Asteraceae e é uma das plantas mais famosas do mundo. Possui lindas flores miúdas, que exalam um doce e delicado aroma. Além de usos medicinais, é muito utilizada na produção de cosméticos, pois suaviza a pele, relaxa o corpo e embeleza os cabelos.

O conhecido “chá de camomila” pode ser útil no combate contra problemas digestivos, gases intestinais, gastrites, insônia, estresse, nervosismo, dores musculares, ataque de vermes, dores ciáticas e reumatismo.

A camomila pode ser utilizada tanto como chá, como compressas feitas com o chá, ou com as próprias flores secas.  

Erva-Doce

A erva-doce, também conhecida como Anis ou Anis Verde, possui duas espécies: Foeniculum vulagre Mill e Pimpinella asinum L, e ambas pertencem à família das Apiaceae. É uma planta aromática e comestível muito utilizada na culinária, na produção de cosméticos e como erva medicinal. Tanto as folhas, como o caule, os frutos, as sementes e o óleo essencial são utilizados para vários fins.

A erva-doce possui propriedades calmantes, alcalinizantes, expectorantes, estimulantes da digestão, diuréticas, coagulantes, além de combater a dor de cabeça, minimizar os sintomas de asma, bronquite, tosse, aliviar a cólica intestinal, a contração muscular, gases, inflamações e aumentar a produção de leite materno.

Hortelã

Na verdade, hortelã é apenas a designação comum para as diversas plantas que fazem parte do gênero Mentha, que possui várias espécies. Veja as duas principais:

Mentha sylvestris

Pertencente à família das Lamiaceae, são plantas herbáceas que possuem propriedades aromáticas, condimentares, ornamentais e medicinais. No uso medicinal pode ser usada como antisséptica, estomáquica, expectorante e como um auxílio para o bom funcionamento do sistema digestivo.

Mentha arvensis piperascens

Conhecida como hortelã-brava, a Mentha arvensis é uma planta herbácea e perene, que pode chegar até 60 cm de altura. Suas propriedades medicinais são utilizadas para combater, principalmente, a febre, gripe, dor de cabeça e dor de estômago.

Alecrim

O Alecrim, com nome científico Rosmarinus officinalis, é um arbusto muito ramificado, com folhas pequenas e finas que exalam um aroma forte e agradável. Ele pode ser utilizado na culinária, na produção de cosméticos, como também na fitoterapia.

Suas propriedades medicinais ajudam aliviar azias, febres, dores no estômago, tosses, bronquites, problemas respiratórios, além de ser um bom relaxante muscular, ativador de memória e cicatrizante. Saiba mais sobre as principais ervas medicinais.